DISTRAÇÕES_i_IMAGENS

...um olhar sobre... as minhas IMAGENS preferidas e algumas DISTRAÇÕES ...

"A fotografia é a poesia da imobilidade: é através da fotografia que os instantes deixam-se ver tal como são." (Peter Urmenyi)
"A dignidade pessoal e a honra não podem ser protegidas por outros. Devem ser zeladas pelo indivíduo em particular" (Mahatma Gandhi)
"Para viajar, basta existir. " ( Fernando Pessoa )

quarta-feira, março 21, 2012

... uma efeméride ... "O PADRINHO"

Porque também tem a ver com "Distração" e, obviamente, com "Imagens", lembrei-me de lembrar que  “O Padrinho” celebra 40 anos.
(Paula Ferreira)
Faz este mês, mais precisamente, fez no passado dia 15, quarenta anos sobre a estreia do filme “O Padrinho”, um marco incontornável na história do cinema.
Tudo começou em 1969 com a publicação do romance com o mesmo nome de Mario Puzo, que de imediato foi um best seller,  e que, por isso mesmo, despertou o interesse da indústria cinematográfica.
A estreia do filme foi no dia 15 de Março de 1972 e pouco tempo depois “O Padrinho” já era o maior êxito de sempre ultrapassando o anterior recordista “Música no Coração “. O American Film Institute coloca-o em segundo lugar no ranking dos melhores filmes de todos os tempos, logo atrás de “Citizen Kane”.
Nem o produtor Robert Evans nem o realizador Francis Ford Coppola poderiam alguma vez prever este inesperado sucesso. Realizadores consagrados como Sergio Leone e Peter Bogdanovich e  actores famosos como Ryan O’Neal, Paul Newman e Robert Redford recusaram o projecto. E este foi parar às mãos de um realizador ainda incipiente ( apesar de já ter ganho um óscar com “Patton” ) com apenas 32 anos e de actores quase desconhecidos em Hollywood como Al Pacino, Diane Keaton e Robert Duvall; Marlon Brando, o protagonista, apesar de ser actor de créditos firmados, tinha má fama e não granjeava simpatia devido à sua personalidade irreverente, muitas vezes irascível e pouco  habituada a horários e regras.
A rodagem de Coppola foi, por isso, dificil e cheia de precalços. Consta que Marlon Brando contestava tudo e todos, discutia permanentemente, arranjava conflitos com os restantes actores e até tinha o estranho hábito de urinar no estúdio.
Mas a fórmula mágica de Coppola para o êxito foi tão simples quanto isto: desmistificar o chamado “sonho americano” mostrando sem perconceitos a saga de uma familia mafiosa siciliana na Nova Iorque do pós-guerra, envolvida no mundo dos negócios sujos e do crime com a personagem de Don Vito Corleone ( O Padrinho ) como elemento principal e aglutinador.
O sucesso do filme originou, dois anos depois a primeira sequela e nos anos 90 a segunda.
Foi tão marcante que ainda hoje serva de inspiração: basta ver a fabulosa e muito premiada série de televisão da Fox: “Os Sopranos”.
Indubitável é que “O Padrinho” marcou o cinema e é um filme obrigatório.
Quem, como eu, ama apaixonadamente o Cinema não podia deixar passar em branco esta efeméride.

( Texto de PAULA FERREIRA )
( Imagem retirada da Internet )

1 comentário:

  1. Assisti ao filme,é ótimo,aqui no Brasil o título é "O Poderoso Chefão".
    Alguns personagem são tão bem interpretados pelos atores,que viram marco em sua carreira,como Dom Corleone,quando fala-se em um,lembra-se do outro.
    Abraços.

    ResponderEliminar